segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Cirurgia Robótica no Tratamento da Obesidade

Bom pessoal hoje o assunto é Robô.
Existe no mundo um crescimento grande das cirurgias que utilizam a tecnologia robótica. A cirurgia bariátrica também vem sendo ocupada por essa metodologia. A utilização de robôs para realizar procedimentos cirúrgicos cresce muito a cada dia sendo os Estados Unidos da América o líder desse processo com mais de 2000 robôs instalados e utilizados desde meados dos anos 2004.

Recentemente chegaram em Belo Horizonte 3 Robôs que foram instalados nos Hospitais Vila da Serra, Mater Dei e Felicio Rocho. São dois modelos Si e um modelo Xi este último da tecnologia mais recente está instalado no Hospital Mater Dei. Primeiramente é preciso alguns esclarecimentos sobre sobre as diferenças com as tecnologias que a gente já conhece. Atualmente as cirurgias podem ser realizadas de três maneiras: convencional, laparoscópica e Robótica. A cirurgia convencional é o método mais antigo aonde o cirurgião opera através de um corte feito no abdome do paciente. Esse corte expõe as vísceras que serão manipuladas durante o procedimento cirúrgico. A laparoscopia foi o primeiro grande avanço na área cirúrgica. Inicia-se com ela e era dos procedimentos minimamente invasivos. Isso nada é mais do que o ato de criar uma maneira de entrar no abdome para operar o paciente com o mínimo de agressão possível. Na laparoscopia são realizadas pequenas incisões através das quais o médico introduz instrumentos que ele manipula fora do abdome produzindo efeitos no interior no mesmo. A cirurgia videolaparoscópica melhorou muito o pós-operatorio por agredir menos a parede abdominal e isso foi sem dúvida uma das maiores revoluções no campo cirúrgico. No entanto a manipulação do instrumento fora do abdome, reproduzindo movimentos de maneira mecânica na extremidade do instrumento, tem pouca precisão. Essa limitação da laparoscopia gera dificuldades na atuação do cirurgião no interior do abdome e em alguns casos até aumentando o risco de complicações. A cirurgia robótica veio para resolver essa limitação. Através de articulações robóticas na ponta do instrumento o cirurgião manipula a pinça com mais precisão e menos limitações como acontece na laparoscopia. É importante esclarecer que ainda não existe para uso em humanos robôs que operam sozinhos. A tecnologia disponível hoje ajuda o Cirugião a melhorar a qualidade dos movimentos dentro do paciente aumentando assim a precisão e a delicadeza da cirurgia. O cirurgião é quem opera e o robô aumenta a capacidade de se fazer um procedimento mais preciso e com menor chance de complicações. 

Assim como em outras áreas humanas o uso da tecnologia robótica é cada vez mais frequente. Apesar do susto inicial causado pelo desconhecimento e até mesmo pela informação fantasiosa veiculada pela mídia (cinemas e novelas) essas tecnologias são benéficas. Elas foram desenvolvidas com a finalidade de ajudar o ser humano e logo serão cada vez mais usadas até o ponto de se tornarem comuns no nosso dia-dia. Seguindo na ideia de oferecer aos meus pacientes o que acredito ser o melhor a algum tempo venho estudando e me capacitando para realizar a Cirurgia Robótica. Assim com a chegada dessa tecnologia aqui em Minas Gerais já estou capacitado e realizando as cirurgias Robóticas. 





quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Hospital UNIMED Contorno

Caros pacientes gostaria de prestar alguns esclarecimentos sobre os cancelamentos de cirurgia que vem sendo realizados no Hospital Unimed Contorno. 
Nesses últimos meses o Hospital vem passando por uma sobrecarga de atendimento no pronto socorro. Devido a isso a diretoria do Hospital, de maneira unilateral e sem aviso prévio, optou por cancelar as cirurgias eletivas. Essa conduta visa manter abertas as vagas em leitos para que sejam absorvidas as demandas do pronto socorro. Estou fazendo o possível, junto às secretarias da clínica, para remarcar as cirurgias no próprio Hospital da Contorno ou transferindo as guias para outros Hospitais se da preferência dos pacientes. Gostaria de informar a todos que a situação no HU Contorno não tem perspectiva de melhora a médio prazo. Então aos que preferirem manter sua cirurgia nessa instituição terão de ter muita paciência para esperar até 2 a 3 meses para a realização da mesma.

Estou trabalhando para conseguir atendender da melhor maneira todos os meus pacientes Unimed. Mas o sistema sobrecarregado não tem ajudado muito.

Peço a compreensão de todos! 

Grande Abraço a todos.

domingo, 11 de junho de 2017

Bagaços X Cirurgia Bariátrica

Pessoal essa postagem é só pra lembrá-los que os pacientes operados de cirurgia bariátrica são proibidos de engolir bagaços. Temos tratado muitos casos de suboclusão intestinal devido a impactação de bagaço no intestino delgado. Está na época da mexirica. CUIDADO!!!!

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Acreditação Internacional em Cirurgia Bariátrica e Metabólica

O Hospital Mater Dei recebeu nesse mês de maio a acreditação internacional de excelência em Cirurgia Bariatrica e Metabólica da mais importante entidade acreditadora nessa área dos Estados Unidos. Esse título representa o reconhecimento internacional do já conhecido comprometimento da Instituição e dos profissionais com a qualidade e segurança dos pacientes. Isso tudo demonstra uma alta qualificação do corpo assistencial representado por toda cadeia de atendimento desde a internação até alta hospitalar passando por atendentes, médicos e corpo de enfermagem.  Com tudo isso, mais uma vez, tenho a certeza de estar no caminho certo!!!

Fui acreditado como Cirurgião de Excelência nesse processo e tive oportunidade de conhecer o Dr. Neil Hutcher ex-presidente da Sociedade Americana de Cirurgia Bariatrica e Metabólica que é auditor da SRC entidade Americana acreditadora. Profissional muito simpático mas criterioso e exigente em suas avaliações.

Tenho orgulho de participar do processo e fiquei muito feliz com o título! 

Abraço a todos.



quinta-feira, 20 de abril de 2017

Aspectos Psicológicos da Obesidade


Dentro desse tema tenho a experiência do estudo e do atendimento do dia-dia. Converso muito e com muitos pacientes que estão em todas as fases do tratamento da obesidade. Leio artigos e participo de congressos que versam sobre o assunto com a finalidade de ajudar na melhor condução de cada caso. Por isso vou passar algumas informações pra vocês. Os profissionais da área (Psiquiátras e Psicólogos) devem avaliar todos os pacientes antes, durante e depois de qualquer tipo de tratamento da obesidade a ser realizado, sendo esse clínico ou cirúrgico.
Dentro do que são considerados aspectos psicológicos da Obesidade existem muitas controvérsias e indefinições. A princípio se faz imperativo um esclarecimento; nesse texto quando falamos de aspectos psicológicos ou psicopatologia estamos levando em consideração tanto desordens psiquiátricas quanto sintomas de natureza psicológica como depressão, ansiedade e distúrbios alimentares. O primeiro tópico de discussão trata da seguinte questão: A obesidade pode ser considerada uma psicopatologia? Essa pergunta é difícil de ser respondida e também não tem consenso de resposta na literatura especializada no assunto. O que se sabe é que a população obesa tende a ter uma prevalência aumentada de vários distúrbios psiquiátricos como: ansiedade, depressão, distúrbios de humor e distúrbios alimentares como por exemplo a compulsão. Estatísticas também demonstram que pessoas deprimidas tem uma incidência maior de obesidade. Uma explicação possível e que vem ganhando espaço nos estudos é a semelhança com a adicção como a do álcool ou drogas. Estão bem documentadas similaridades como a ânsia pela substância (no caso a comida ou o açúcar), a perda do controle do limite do consumo, as tentativas repetidas dos controle do uso, o uso mesmo tendo consciência das consequências deletérias do excesso e a dedicação de muito tempo em obter e consumir. Essa explicação não responde a todas as questões relacionadas as causas e consequências da obesidade  mas tem comparações interessantes e curiosas. Também a que se considerar o fato de que o apetite e a ingestão de alimentos são condições fundamentais para a sobrevivência humana diferente do uso de álcool e drogas.
Na próxima publicação vou mostrar e discutir alguns dados da incidência dos problemas psicológicos no pré e pós operatório da Cirurgia Bariátrica. 

Até mais.


quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Atendimento Unifacil

Bom dia.

Gostaria de esclarecer os meus pacientes que possuem o plano Unifácil. O atendimento desse plano da UNIMED BH deve ser realizado apenas nos núcleos de atendimento específico do plano. Devido a isso não será possível consultar em consultório. Estou orientando a todos os meus pacientes que possuam esse plano a migrar para qualquer outro tipo que permita o atendimento em consultório. Se você possui um plano empresarial converse no departamento pessoal da sua empresa.

Atenciosamente 


Hemerson Paul Vieira Marques

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Queda de Cabelo



     Queda de cabelo é um dos efeitos colaterais mais temidos, principalmente pela mulheres, no pós-operatório da cirurgia bariátrica. Normalmente 90% do cabelo que temos esta sempre em crescimento e 10% entra em uma fase que chamamos de estabilidade. Quando o cabelo para de crescer e entra nessa fase de estabilidade ele costuma cair depois de 100 a 120 dias. Isso significa que mais ou menos 10% do nosso cabelo esta sempre caindo e isso é normal.
     Em determinadas situações (como após uma cirurgia ou perdas de peso mais significativas) quando nosso corpo é colocado sob estresse ele para de gastar energia em atividades que não são essenciais a subexistencia como por exemplo o crescimento de cabelos. Isso ocorre por questões de auto-preservação. Nesse período, uma quantidade maior de cabelo é colocada na fase de estabilidade o que significa que ele vai cair dentre de 100 a 120 dias. Além disso, uma vez nesta fase,  não há possibilidade de reversão para a fase de crescimento. Esse período em que uma quantidade maior de cabelo fica na fase que propicia a queda pode durar até 6 meses. 
     As perdas de cabelos mais tardias que ocorrem após 6 meses de cirurgia geralmente são devido a deficiências nutricionais como: ferro, proteína, ácidos graxos essenciais, biotina ou zinco.
     Os principais fatores que previnem a queda de cabelo no pós operatório são: ingestão de 60-80 gramas de proteína por dia, polivitaminicos que contenham 15 - 40 mg de zinco, 18 - 36 mg de ferro. Ingestão de ácidos graxos essenciais presentes principalmente nos peixes e 4 - 5 mg (ou 4000 ou 5000 mcg) de biotina.

     Estude essas informações, alimente-se de maneira correta e discuta as reposições citadas com o seu médico.


Abraço.

Hêmerson Paul